quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Descobrir Barcelona em 3 dias - 2º dia

Descobrir Barcelona em 3 dias - 2º dia


Hoje continuamos o nosso roteiro por Barcelona dando-lhes a conhecer o nosso percurso neste segundo dia pela cidade. Sabendo que 3 dias é pouco tempo para explorar Barcelona decidimos que durante estes três dias deveriam servir como uma introdução intensa desta bela cidade. 
O segundo dia serviu para conhecermos algumas das atracções mais conhecidas e mais artísticas de Barcelona.

O nosso roteiro
2º dia


Decidimos iniciar o nosso dia pelo Eixample, um dos bairros de Barcelona, conhecido pelo desenho regular das suas ruas, caracterizadas por serem largas e amplas, nomeadamente o Passeig de Gràcia, a Gran Via de les Corts Catalanes ou a Diagonal. A melhor forma de apreciar a arquitectura e a beleza do Eixample é a pé, num maravilhoso passeio pelas encantadoras ruas, que foi o que fizemos.

Ruas de Barcelona

Assim que saímos do metro houve uma casa que nos chamou a atenção pelo seu bonito e diferente telhado, a Casa de Terrades, mais conhecida como Casa de les Punxes (casa das Pontas). Esta é uma obra do arquitecto modernista Josep Puig i Cadafalch, o projecto foi encomendado pelas irmãs Terrades, para reformar três imóveis que ocupavam o local. O mesmo ficou concluído em 1905 e consiste num único prédio, que ocupa o quarteirão inteiro da avenida Diagonal. De inspiração medieval, esta intrigante obra parece um castelo, em parte devido à existência de quatro torres redondas, em cujo topo de observam as "punxes". Já a decoração, de estilo gótico, invoca elementos de outras obras do arquitecto, como a Casa Amatller, a Casa Serra ou a Casa Macaya. Outra das características do edifício são os seus painéis de cerâmica, localizados no alto das suas fachadas, sendo o mais conhecido aquele que representa São Jorge, no qual aparece a frase "Sant Patró de Catalunya, torneu-nos la llibertat" ( santo padroeiro da Catalunha, nos devolva a liberdade).

Casa de les Punxes
Bem perto da Casa de les Punxes é possível encontrar a Església Mare de Déu del Carme, uma das igrejas mais recentes de Barcelona. Terá sido construída no início do séc. XX, num local chave da Avenida Diagonal. Foi construída neste local para as pessoas que se foram deslocando para fora da cidade antiga e começaram a povoar a zona nova de Barcelona.

Església Mare de Deú del Carmo
Seguimos depois em direcção à famosa Casa Milà, também conhecida como La Pedrera. Esta é uma das mais importantes obras do génio Antoni Gaudí. Este enorme edifício de habitação que ocupa um quarteirão inteiro, é conhecido pelo seu magnífico exterior de pedra de acabamento rude, moldada e arredondada, assemelhando-se a grutas. Este prédio foi encomendado por Pere Milà, em 1906, que pretendia uma casa que deixasse Barcelona rendido e que ofuscasse as casas da Mansana de la Discòrdia. Para tal, foi dado a Gaudì um orçamento ilimitado, que o levou a produzir esta enorme escultura abstracta, onde triunfam as linhas curvas a as formas orgânicas.
Contudo, o projecto não teve o efeito desejado, chegando a ser mesmo alvo de chacota. Era um projecto muito à frente para o seu tempo e só com o passar das décadas é que se passou a ver a magnitude da arquitectura de Gaudì. Prova disso é o facto de a mesma ter sido declarada Património da Humanidade pela UNESCO, dada a sua importância para a história da arte e da arquitectura.
Posteriormente, farei um artigo falando em pormenor da obra de Gaudí em Barcelona.

La Pedrera

Ao seguirmos o nosso percurso deparámo-nos com os elegante candeeiros que enfeitam o Passeig de Gràcia, obra do magnífico artista Pere Falquès. Este arquitecto modernista produziu algo bastante original, que serve não só para iluminar a rua, como para as pessoas se sentarem e descansarem nos seus bancos. Este foi outros dos projectos da cidade que foi bastante contestado e ridicularizado, quando foram instalados, já no final do séc. XIX.

Candeeiro

Durante o nosso passeio encontrámos uma construção um pouco diferente, a Casa Montaner i Simon, um dos primeiros trabalhos modernistas de Domanèch i Montaner, construído em 1880. Inicialmente serviu como sede de uma editora, mas actualmente alberga a Fundació Tàpies, onde estão expostos os magníficos trabalhos abstractos, de vanguarda de Antoni Tàpies. Foi o próprio artista que instalou aqui a sua fundação. O Emaranhado gigante de arame colocado no telhado, é um tributo a este artista, e fazem prever o que se deve esperar dos trabalhos expostos no interior, muita experimentação com texturas e materiais.


Fundació Tàpies

Prosseguimos o nosso percurso tendo como destino a Manzana de la Discòrdia uma zona do Passeig de Gràcia, onde se pode ver um trio de edifícios modernistas, bastante diferentes e cujos autores competiram entre si pelo título da mais espectacular. Estas belíssimas casas foram construídas pelos três arquitectos mais importantes do modernismo catalão, a Casa Lleó Morera, de Domènech i Montaner, a Casa Amatller, de Puig i Cadafalch e a Casa Batlló, de Antoni Gaudì.

Mansana de la Discòrdia
A primeira casa que admirámos foi a Casa Batlló, uma das mais impressionantes obras de Gaudì, tendo sido declarada Património da Humanidade pela UNESCO, em 2005. Em 1903 Josep Batlló, um rico empresário, comprou um edifício que havia no local e encomendou a sua remodelação a Gaudì, na altura já famoso. A obra ficou completa em 1906 e contando com o apoio dos seus ajudantes habituais, construiu uma autêntica obra prima, onde se vê refletido o seu estilo muito pessoal, com inspiração mas formas orgânicas da natureza. Gaudì criou um bela fachada, com muros ondulados e sobre os quais colocou  vários fragmentos de cerâmica e vidros quebrados, conferindo um aspecto colorido e com relevos à fachada.
Batllò ficou de tal forma satisfeito com o trabalho do arquitecto, que resolveu indicar o seu nome ao seu amigo Pere Milà, para a construção de La Pedrera.

Casa Batlló

A paredes meias com a obra de Gaudí está a bonita Casa Amatller, uma das obras modernistas mais importantes de Barcelona. Em 1898, Antoni Amatller, industrial do chocolate, comprou a cada para que servisse de sua residência. E resolveu que a remodelação ficaria a cargo do arquitecto Puig i Cadafalch, que transformou o edifício num palácio gótico urbano, muito ao seu estilo. A sua fachada é descrita como "a apoteose das artes decorativas", estando coroada com um bonito frontão flamengo, decorado com azulejos vitrificados e o seu interior está magnificamente mobilado.
Uma vez que no seu interior se encontra a loja Faborit, uma Coffe Shop & Chocolate Store, decidimos entrar e comprar alguns dos mais famosos chocolates de Barcelona.

Casa Amatler

Interior da Casa Amatler

No final da Manzana de la Discòrdia está a Casa Lléo Morera, reformada em 1905, pelo arquitecto Domènech i Montaner, foi comprada pela família Lléo Morera que quis um local especial para morar. De modo a superar a magnífica concorrência, o arquitecto modernista contratou  vários artistas e artesãos para criar uma obra de grande qualidade e beleza. Esta magnífica obra sofreu bastantes danos com a Guerra Civil Espanhola, tendo sido restaurada posteriormente.

Casa Lléo Morera

Seguiu-se depois o passeios pelas famosas Ramblas. Estãs são o centro da cidade e qualquer pessoa que visite Barcelona tem que passar por este local. É aqui que há o maior fluxo de pessoas, quer locais, quer turistas. Las Ramblas é uma longa avenida rectilínea que vai desde a Plaça da Catalunya até à beira-mar e que se divide em 5 partes diferentes. 

Las Ramblas

A Rambla de Canaletes, com várias bancas de jornais e onde os locais se juntam para discutir futebol e que recebeu o seu nome devido ao um velho chafariz de ferro. Diz a lenda que quem bebesse desta fonte voltaria a Barcelona. Segue-se a Rambla dels Estudis, com várias bancas de venda de animais e onde se situa a Església de Betlem. Esta é uma igreja barroca que pertenceu aos jesuítas até à sua expulsão de Espanha, em 1767. Foi construída no local de uma igreja anterior, que terá sido destruída pelo fogo em 1671, tendo sido projectada pelo arquitecto Josep Juli.


Església de Betlem

Segue-se a Rambla de les Flors, com vários quiosques de flores, que lhe conferem um ar colorido e único. É também por aqui que se encontra o famoso Mercat de la Boqueria, um mercado cheio de vida e de cor que desperta a atenção de quem por aqui passa devido ao seu alto portão de ferro. O mais famoso mercado de Barcelona foi construído entre 1840 e 1870 e a sua construção lembra uma estação de caminhos de ferro. Este é um local fabuloso cheio de bancas repletas de frutas, legumes, queijos, mariscos e enchidos

Mercat de la Boqueria

Surge depois a Rambla dels Caputxins, onde é possível encontrar uma das obras de arte de Joan Miró, o Mosaic e onde encontrará vários músicos de rua e estátuas humanas magníficas.

Estátua Humana

Por fim, temos a Rambla de Santa Mónica, onde vários artistas de rua, entre eles os retratistas fazem a delícia dos turistas.

Depois de passearmos pelas Ramblas decidimos visitar o famoso Bairri Gòtic de Barcelona. Este percorre o coração da Barcelona mais antiga, sendo um dos bairros que menos alterações sofreu desde o séc. XV e onde é possível percorrer vielas estreitas, com os raios de Sol a infiltrarem-se por entre os prédios altos e as varandas de ferro. O mais interessante de passear por este bairro é que ao deambularmos por entre o emaranhado de ruelas, qualquer momento podemos parar numa bonita praça cheias de magníficos palácios góticos e medievais.

Ruela do Bairro Gótico

A Plaça Reial é uma das bonitas praças do Bairro Gòtic e que se localiza muito perto das Ramblas. A sua construção data dos meados do séc. XIX e na época várias foram as famílias da sociedade catalã, que decidiram ocupar os edifícios desta praça. A praça possui um encanto muito próprio, em parte devido aos belos pórticos dos edifícios, às palmeiras e a fonte construída bem no centro da praça. Existem ainda dois magníficos candeeiros, que completam o cenários e que são obra do fantástico Antoni Gaudí.

Plaça Real

 No nosso passeio pelo bairro encontrámos por acaso a Pont del Bisbe, uma bela ponte gótica, que une a Casa de los Canónigos, com o Palau de la Generalitat. E embora ela combine na perfeição com o ambiente medieval envolvente, a ponte apenas foi construída em 1928, por Joan Rubió i Bellver. O arquitecto pretendia construir uma série de novos edifícios inspirados no estilo gótico, mas o projecto não foi aceite pelo governo e apenas este belo exemplar foi aprovado, então o arquitecto decidiu incorporar uma caveira escondida com um punhal dentro. Segundo a lenda, quem cruze a ponte e veja o crânio será vítima de um feitiço.
Esta foi para mim uma das coisas mais bonitas que vi na cidade.

Pont del Bisbe

Na nossa descoberta pela bairro encontrámos também o Monuments als herois de 1809,  que foi erguido em 1929, numa homenagem aos mortos resultantes da ocupação de Barcelona pelas tropas francesas. Este monumento é um conjunto de 5 figuras em bronze, da autoria do escultor catalão Josep Llimona, e mostram as personagens condenadas um pouco antes da execução no Par de la Ciutadella. Mais tarde, em 1941, foi acrescentado ao monumento um alabastro, que pretende representar vários anjos. 

Monuments als herois de 1809

Seguimos depois em direcção à Casa de l'ardiaca, que resulta da mistura de vários estilos artísticos, devido às inúmeras reformas que a mesma sofreu ao longo dos anos. Inicialmente, foi a casa do vigário-geral, encarregue da administração da diocese, mas actualmente abriga a sede do Arquivo Histórico da Cidade de Barcelona.

Casa L'Ardiaca

Para terminar a visita ao Bairri Gótic fomos visitar a magnífica Catedral de la Santa Creu i Santa Eulàlia ou La Seu, provavelmente a construção mais importante deste bairro. A construção desta bela catedral gótica. dedicada a Santa Eulália ( santa padroeira de Barcelona),  teve inicio no final do séc. XIII, no local de um antigo templo cristão e só seis séculos mais tarde terá ficado pronta. A mistura de vários estilos arquitectónicos na sua construção, como o gótico, o barroco, o neogótico e o modernista, resulta do desenvolvimento da história religiosa de Espanha.
Posteriormente, farei um artigo onde falarei em pormenor desta bela Catedral.

La Seu

 No caminho para o próximo bairro que decidimos visitar neste segundo dia encontrámos a Església de Santa Maria del Pi, uma igreja de estilo gótico catalão, construída no séc. XIV e que provavelmente recebeu o seu pela presença de um bosque de pinheiros que envolvia o terreno em volta deste templo. O seu interior é composto por uma única nave, com capelas abertas nas laterais, já no seu exterior é possível ver uma belíssima e gigante rosácea bem no topo da fachada principal.

Església de Santa María del Pi

Para terminar o nosso segundo dia de visita à cidade fomos conhecer o El Raval,  um dos bairros de Barcelona, que se localiza bem perto das Ramblas e que é o maior dos bairros da Cidade Velha. Aqui vários são os pontos de interesse espalhados pelas suas ruas estreitas e belas.

Ruela de El Raval
 
Na descoberta de El Raval encontrámos a Església de Sant Augustí, que terá sido construído depois de o antigo convento de Sant Augustí, localizado no bairro de La Ribera, ter sido destruído aquando da construção da fortaleza da Cidadela. Assim, após o triunfo da causa Bourbon na Guerra da Sucessão Espanhola, decidiu-se erguer um novo templo e o projecto original era do engenheiro francês Alexandre de Retz, mas terá sido o mestre construtor Pere Bertran a realizar a construção. Depois da sua construção vários foram incidentes que afetaram este templo cristão.

Església de Sant Augustí
Já cansados de tanto caminhar decidimos descansar um pouco nos belos Jardins de Rubió i Lluch, um oásis de tranquilidade no meio do bairro El Raval. Aqui é possível encontrar várias atracções, nomeadamente o Hospital de la Santa Creu ( um belo exemplar do estilo gótico catalão) que actualmente, é a sede da Biblioteca Nacional de Catalunya e também do Instituto d'Estudis Catalans. 

Jardins Rubió i Lluch

Numa das bonitas praças de El Raval é possível encontrar o simpático Gato de Botero, obra do artista colombiano Fernando Botero. Antes de ter sido colocado aqui o famoso Gato esteve no Parc de la Ciutadella e mais tarde, durante os Jogos Olímpicos de 1992 foi levado para o Estadi Olímpic e só depois foi para El Raval.

Gato de Botero

Depois de um dia repleto de descobertas e de muito cansaço decidimos regressar ao hotel e descansar um pouco antes de jantar, terminando assim um dia super preenchido.


E vocês já visitaram Barcelona? O que acharam? Ou ainda querem visitar?
Este blog tem parceria com o Booking. Se pretender fazer a sua reserva para ficar alojado em Barcelona, contrate o serviço por aqui e estará ajudando o nosso blog, já que o nosso trabalho é voluntário.
Veja o nosso roteiro do nosso 1º dia.
Vejam o roteiro do nosso 3º dia.



sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Corinthia Hotel Lisbon

Corinthia Hotel Lisbon


O Corinthia Hotel Lisbon é um hotel 5 estrelas, localizado na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, em Lisboa, bem próximo ao Jardim Zoológico. 
Numa das nossas passagens por Lisboa, decidimos ficar aqui hospedados dado a fama deste magnífico hotel. E diga-se de passagem que não ficámos desiludidos. Pagámos cerca de 126€ pela noite, com direito a pequeno-almoço (pode não ser um preço acessível a qualquer carteira, mas para um hotel da categoria deste, não foi de certo um valor muito elevado).

Corinthian Hotel Lisbon

Este é um bonito e enorme hotel, constituído por dois restaurantes, um bar e um bonito SPA. O Restaurante Sete Colinas possui uma atmosfera acolhedora e familiar, para uma refeição bem agradável.

Pequeno-almoço no Restaurante Sete Colinas

Já o Restaurante Típico oferece uma experiência gourmet única que passa pelo menu à la carte ou pela fusão da cozinha Mediterrânica e Internacional.

Entrada para o Restaurante Típico

Quanto ao bar ele é composto por espaços diferentes, ou seja, temos o Tempus Lounge Bar, um espaço enorme, onde pode apreciar a sua bebida enquanto ouve o pianista residente a interpretar alguns dos temas mais famosos da actualidade. Há também o Terrace Lounge, um autêntico oásis escondido no jardim do hotel, aqui pode-se apreciar a música de um DJ enquanto nos deliciamos com um cocktail.

Terrace Lounge

Por fim, temos o The Lobby Lounge, localizado bem no coração do hotel, sendo o local ideal para pequenas reuniões informais, enquanto vão bebendo um saboroso café.

The Lobby Lounge

No SPA do Corinthia Hotel Lisbon é possível encontrar várias terapias com a exclusividade ESPA (criadores dos mais fantásticos SPAs do mundo), como por exemplo massagens terapêuticas ou tratamentos de beleza, sendo constituído por 13 salas de tratamento, uma piscina, um ginásio e ainda sauna, jacuzzi, entre outros.

Zona da Recepção do Hotel

Uma vez que utilizámos o hotel apenas para passar a noite, não nos foi possível usufruir de qualquer destes serviços, não podendo dar uma opinião sobre a qualidade do mesmo.

Hall do 10º piso

Os quartos deste magnífico hotel estão extremamente bem decorados, estando equipados com TV LCD e acesso Wi-Fi gratuito. O nosso quarto era um Queen Superior, mobilado com uma cama Queen size e ainda uma bonita área de lazer e descanso.

O nosso quarto

A nossa zona de lazer

O meu único comentário menos positivo (e não negativo) é a casa de banho, que apesar de grande é extremamente simples e um pouco ultrapassada quanto à decoração, acabando por sair um pouco do nível do hotel.

A nossa WC

A política do hotel implica que aquando do check-in seja deixada uma caução de 100 euros, para possíveis gastos no hotel e aquando do check-out o dinheiro é devolvido.
Quem vier de carro não precisa de se preocupar, pois o hotel possui o seu próprio estacionamento privado. O único senão é que a diária fica a cerca de 18 euros.

Árvore de Natal na recepção do hotel

Tivemos a possibilidade de apreciar todas as decoração de natal que estão espalhadas pelo hotel, havendo uma atmosfera mágica a pairar sobre o local, algo que muito me agradou, por ser uma fã da época natalícia.

Aconselho, a quem visitar Lisboa, a ficar alojado no local, pois tenho a certeza que ficarão extremamente bem alojados e satisfeitos.
E vocês já ficaram alojados no Corinthia Hotel Lisbon, quais as vossas impressões?
Este blog tem parceria com o Booking. Se pretender fazer uma reserva para ficar alojado em Lisboa, contrate o serviço aqui e estará ajudando o nosso blog, já que  o nosso trabalho é voluntário.

Não perca os outros nossos artigos sobre Lisboa
Roteiro de 3 dias por Lisboa - 1º dia
Roteiro de 3 dias por Lisboa - 2º e 3º dia
Descobrir o Mosteiro dos Jerónimos
Museu Nacional dos Coches
Hotel Real Parque

sábado, 26 de novembro de 2016

Descobrir Barcelona em 3 dias - 1º dia

Descobrir Barcelona em 3 dias - 1º dia

Barcelona é considerada a cidade mais cosmopolita de Espanha, é uma cidade vibrante, ousada  e chique, situada na costa do Mediterrâneo. A capital da Catalunha é conhecida pelos vários tipos de expressão artística, sendo o centro mundial da arquitectura modernista.
Grandes nomes deixaram o seu legado nesta magnífica cidade e várias foram as figuras lendárias que aqui floresceram. 

Conhecer Barcelona em 3 dias permite-nos ter um panorama geral da cidade. Nós fizemos a nossa escolha de locais a visitar, tendo em conta os nossos gostos e preferências, notando que cada pessoa é diferente e tem as suas próprias características e gostos, podendo não concordar com os locais por nós visitados.

Barcelona

Assim, hoje vou apresentar o roteiro feito por nós nos dias que estivemos em Barcelona. A nossa impressão da cidade foi bem positiva.


O nosso roteiro

1º dia

Barcelona é uma cidade onde a maior parte das pessoas gosta de passear a pé e nós decidimos iniciar o nosso percurso pelo Parc de la Ciutadella. 
Bem antes de chegarmos ao parque encontrámos o belo Arc de Triomf. Barcelona possui o seu próprio arco do triunfo, construído em 1888, para ser a porta de entrada da Exposição Universal, que teve lugar na cidade. Este é em estilo neo-mudéjar, com cerca de 30 metros de altura e foi criado pelo arquitecto Josep Villaseca. O Arco do Triunfo de Barcelona resulta da fusão de elementos islâmicos com outros estilos dos povos cristãos e foi construído em tijolo, que serviu não só como material de construção mas também como decoração. Na maior parte dos Arcos do Triunfo é dado particular relevo ao tema militar, mas no de Barcelona é dado particular relevo ao progresso artístico, científico e económico e simboliza a porta de entrada da cidade à modernidade.

Arc de Triomf de Barcelona

Depois de passarmos por baixo do belíssimo Arco entramos no Parc de la Ciutadella (parque da cidadela). Este é um dos parques mais importantes e mais bonitos de Barcelona. Foi igualmente construído para a Exposição Universal de 1888, numa zona que era ocupada por uma antiga fortaleza da cidade, a Ciutadella, mandada construir por Filipe V em 1715, para dominar a cidade. Este é um dos locais mais concorridos de Barcelona, sendo comum encontrar pessoas a fazer piqueniques, a passear ou simplesmente a conversar. 
Espalhados pelo parque há um conjunto de várias atracções que fazem a delícia de quem o visita.


Parc de la Ciutadella

Uma das atracções que mais chama a atenção neste belo parque é o Castillo de los Tres Dragones, um imponente edifício de tijolo vermelho, de estilo neogótico, muito semelhante a um castelo, obra de Lluís Domènech i Montaner. Foi construído para ser o restaurante da Exposição Universal, tendo sido depois utilizado como centro de artesanato e Museu de Zoologia. Actualmente encontra-se fechado para visitas.

Castillo de los Tres Dragones

Um pouco mais à frente encontrámos a belíssima Fonte da Cascata. Esta é uma famosa e arrojada fonte em cascata, sendo um dos locais mais bonitos e famosos do parque. A fonte foi desenhada por Josep Fontserè, com a colaboração do jovem Gaudi e vários dos melhores escultores da altura.
O que mais chama a atenção do local é o El Carro de l'Aurora, colocado na parte mais elevada da fonte, obra do escultor catalão Rossend Nobas, para a Exposição Universal de 1888. Mas existem vários elementos fantásticos neste monumento, nomeadamente a escultura do Nascimento de Vénus, de Venâncio Vallmitjana, o frontão com uma escultura de Vénus, de Francesc Pagès i Serratosa, entre outras.

Fonte de la Cascata

El Carro de l'Aurora

Bem perto desta belíssima fonte encontra-se um enorme Mamute. Este fazia parte de um projecto que tinha como objectivo construir várias réplicas de animais, pelo parque. Contudo, por falta de verbas o projecto nunca avançou e apenas o Mamute foi construído.

Mamute

Outra das atracções que encontrámos neste belo parque foi a Capilla Castrense. Esta é uma construção de 1720, de inspiração francesa neoclássica, da autoria de Prosper de Verboom. Esta pequena capela com uma planta em forma de cruz, possui uma única nave e algumas capelas laterais.



Capilla Castrense

Depois de explorado o belo Parc de la Ciutadella seguimos o nosso percurso até a La Barcelonetta.
La Barceloneta é um bairro da Ciuta Vella, criado em meados do séc. XVIII, projectado nas águas do porto, para estivadores e pescadores, que haviam perdido as suas casas após Filipe V mandar demolir o bairro de La Ribera. Actualmente, é famosa pelos seus restaurantes do Passeig de Bourbó e vai mantendo o seu carácter de bairro operário.

Várias são as praias que aqui se encontram e nós acabámos por passear pela Platja de Sant Miquel, uma das praias mais antigas e movimentadas da cidade. É conhecida por ter um serviço para pessoas com mobilidade reduzida.

Platja de Sant Miquel

Bem no centro do areal é possível ver a L'Estel Ferit, uma obra da artista alemã Rebecca Horn, composta por quatro cubos empilhados. Esta escultura é uma homenagem ao bairro pescador de La Barceloneta, tendo sido colocado no local para os Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992. Os cubos representam as antigas barracas de praia, que anteriormente se encontravam espalhados por toda a orla.

L'Estel Ferit

Depois de passearmos por Barcelonetta e termos aproveitado para almoçar num dos muitos restaurantes espalhados pela zona (escolhemos o TapaTapa- que por sinal é muito bom), seguimos em direcção ao Port Vell, o antigo porto de Barcelona. Actualmente, tem ancorado vários barcos de recreio e possui ainda algumas atracções turísticas. Percorrer o Port Vell é algo extremamente agradável.


Port Vell

Decidimos depois ir até ao Montjuic a pé e pelo caminho deparámo-nos com imponente Monument a Colon, um dos principais ícones de Barcelona. O monumento de cerca de 50 metros foi concebido por Gaietà Buiges e a estátua de Colombo, com cerca de 7 metros, foi feita em bronze pelo escultor Rafael Atché. Bem no alto desta coluna é possível ver o navegador Cristovão Colombo apontar o dedo em direcção ao mar. No interior do monumento existe um elevador, que conduz à base da estátua de Colombo, onde está localizado um miradouro, que dá belas paisagens sobre a cidade.


Monument a Colon

Depois de uma longa caminhada chegámos ao Parc de Montjuic, localizado na montanha de Montjuic (monte dos judeus), é considerado o pulmão verde da cidade. O local foi urbanizado e transformado no que é hoje, devido a dois eventos internacionais que ocorreram na cidade de Barcelona, em 1929, a Exposição Internacional e alguns anos mais tarde, 1992, os Jogos Olímpicos de Barcelona. O local está repleto de atracções, que vão desde o Parque Olímpico, o Jardim Botânico, a fundação Joan Miró, o Palácio Nacional, entre outros.

Começámos a nossa descoberta do Parc de Montjuic pelo Castell de Montjuic, localizado a 173 metros de altitude e que é o símbolo da repressão e das batalhas que foram travadas ao longo da história de Barcelona.  Esta bela fortaleza data do séc. XVIII, tendo sido construída a partir das ruínas que surgiram após a Guerra da Sucessão no século anterior. Durante muitos anos serviu como prisão militar e como centro de interrogatório, tendo sido nas suas masmorras, em 1940, que Lluís Companys, presidente da Catalunha, foi fuzilado. Em 1960, Franco decidiu devolver o castelo à cidade. 
Actualmente, abriga o Museu Militar, que apresenta um ambiente evocativo e onde pudemos ver as armas antigas, os uniformes militares e as medalhas que permitem recordar os prisioneiros da era de Filipe V, no séc. XVIII e os republicanos, que foram presos nas masmorras durante a guerra civil.


Castell de Montjuic

Seguimos depois em direcção ao Museu Olímpic i de l'Esport Joan Antoni Samaranch, um moderno e interactivo museu, inaugurado em 2007. Aqui é possível encontrar várias informações relacionadas com os desportos olímpicos e a forma como estes promovem os valores, a educação e a inovação na sociedade. É ainda possível ver uma exposição sobre as várias cidades que receberam os Jogos Olímpicos após 1992.

Museu Olímpic

Bem perto está o Estadi Olímpic Lluís Companys, localizado no alto da colina de Montjuic, este belo exemplar foi o palco principal dos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992. Possui o nome do Presidente do Governo da Catalunha, durante a Guerra Civil Espanhola. Este estádio foi inicialmente construído para a Exposição Universal, que ocorreu em 1929, depois disso o local foi entrando em decadência e só foi renovado na altura dos Jogos Olímpicos de 1992.


Pira Olímpica
Estádio Olímpico

Junto ao Estádio Olímpico encontra-se a belíssima Anella Olímpica, uma das relíquias que ficaram dos Jogos Olímpicos de Barcelona 92. A Anella, situada no alto da montanha de Montjuic, era o coração deste evento desportivo.

Anella Olímpica

Continuámos o nosso roteiro em direcção ao magnífico Palau Nacional. Este foi construído entre 1927 e 1929, para ser o centro da Exposição Universal de 1929. Actualmente, alberga o MNAC (Museu Nacional d'Art de Catalunya), onde é possível encontrar pinturas, esculturas, artes decorativas entre muitas outras peças.

Palau Nacional

Bem em frente ao Palau Nacional localiza-se a Font Magica, uma grande fonte construída para Exposição Internacional de 1929, que vai desde a Plaça Espanya até ao Palau Nacional. Nela é possível observar um bonito espectáculo de música e luz, coordenados com movimentos de jactos de água. Esta é uma das atracções turísticas mais famosas de Barcelona.

Font Magica

Depois de descermos a enorme escadaria em frente à Font Magica e passarmos bem ao seu lado seguimos em direcção à Plaça d´Espanya e à sua imponente Font Monumental, localizada bem no centro da praça. Esta enorme fonte, construída por ocasião da Exposição Internacional de 1929 é um projecto do arquitecto modernista catalão Josep Maria Jujol e contou com o apoio de outros grandes artistas da época. Este monumento é uma alegoria aos rios e mares de Espanha, estando nele representados o Ebro, Guadalquivir e Tejo e peloMediterrâneo, Atlântico e Cantábrico.

Font Monumental
Para terminar o nosso dia decidimos visitar o Arenas de Barcelonaum bonito e diferente shopping, inaugurado em 2011, que se localiza na antiga Plaçaa de Toros de las Arenas. A última corrida de touros aconteceu em 1977 e depois disso o local ficou abandonado. Anos mais tarde foi reabilitado e transformado no bonito centro comercial que é hoje. A zona mais bonita do local é o fantástico terraço, localizado no seu topo, trata-se de um miradouro circular, que oferece paisagens de 360º de Barcelona e onde é possível encontrar vários restaurantes, um dos quais escolhido por nós para jantar.


Arenas de Barcelona

Depois de um belíssimo jantar decidimos regressar ao hotel e aproveitar para descansar depois de um dia bem intenso e onde caminhámos imenso, terminando assim um fantástico dia.

E vocês já visitaram Barcelona? O que acharam? Ou ainda querem visitar?
Este blog tem parceria com o Booking. Se pretender fazer a sua reserva para ficar alojado em Barcelona, contrate o serviço por aqui e estará ajudando o nosso blog, já que o nosso trabalho é voluntário.

Não perca as nossas impressões do nosso hotel.
Roteiro do nosso 2º dia
Roteiro do nosso 3º dia
Descobrir a Sagrada Família
Descobrir a Catedral de Barcelona


Espero que tenham gostado.