sábado, 29 de março de 2014

Passeios Românticos em Paris

Passeios Românticos em Paris

Paris é realmente uma cidade propícia ao romance e como tal deixarei aqui alguns das actividades que os casais apaixonados podem fazer, para terem um dia repleto de paixão e romance.

Jantar num Cruzeiro no Rio Sena
Delicie-se com um maravilhoso jantar à luz das velas ao longo do Rio Sena, em Paris, ao mesmo tempo que todos os impressionantes monumentos de Paris vão passando à frente da janela, resplandecentes com as luzes nocturnas de Paris. Existem vários tipos de percursos e vários tipos de comida.
Caso tenham alguma curiosidade podem consultar o seguinte site http://www.parisbilhetes.com/jantar-cruzeiro/.
Exemplo de um percurso possível

Passeio de bicicleta ao longo do Rio Sena
Graças ao Velib, serviço de aluguer de bicicletas na cidade de Paris, hoje em dia é possível passear por Paris.Com os cabelos ao vento, podemos andarao longo do Rio Sena, ver o movimento de Marais, descobrir a Ile Saint-Louis e passar em Notre-Dame. E isto através de um preço bastante acessível.
Actualmente encontra estações por toda a cidade, havendo também mapas interactivos que mostram um plano detalho das mesmas estações.

Rio Sena
Comer o melhor Sorvete do mundo na Ile Saint-Louis
A sorveteria Berthillon tem a reputação de ser a melhor de França. Os seus sorvetes são artesanais e fazem grande sucesso com segredos que têm sido passados de geração em geração desde 1954. Independentemente da época, parisienses e turistas deslocam-se a este local para saborear os melhores sabores de sorvetes, sorbets e crepes. Podendo degustar os mesmo no belo salão de chá, ao então se preferir ir a comer enquanto passeia pela bonita cidade.



Caminhar junto à Catedral de Notre Dame
Se vier de Ile Saint-Louis, siga pela Pont Saint-Louis. Várias bandas de jazz e música clássica tocam ao ar livre neste lugar muito especial, tornando-o o local ideal para fazer uma pequena pausa musical. Mesmo no final da Pont Saint-Louis vai encontrar a deslumbrante Catedral Notre Dame de Paris. Logo em frente encontrará um pequeno portão que leva à entrada da Praça Jean XXIII, ideal para se sentar num dos bancos ao pé da catedral, rodeado por bonitas flores e árvores.

Catedral de Notre Dame

Piquenique na Pont des Arts
Durante a época de Abril e Setembro, fazer um piquenique na Pont des Arts é uma das maiores tradições de Paris. A ponte liga o Institute de France com a Cour Carré do Palácio do Louvre. Em qualquer um dos lados a vista é fabulosa. A tradição diz que cada um deve trazer uma garrafa de bom vinho, algo para comer e deve-se fazer um brinde romântico sobre o Sena. 

Pont des Arts (Fonte dicasdefrances.blogspot.com)
Passear em Le Marais
Le Marais é um bairro histórico, e frequentado pela nobreza até ao final do séc. XIX. Sendo uma das zonas mais charmosas de Paris. Aqui tudo é romântico. As lojas da Rue des Francs-Bourgeois, a rua do antigo templo e dos bistros e o Le Loir Dans la Théière. Podemos encontrar também a divina Place des Vosges, construído no séc. XVI por Henrique IV, com as suas arcadas e o pequeno parque no centro. Quem gostar pode também visitar o Museu Carnavalet e o Museu Rodin. Este último possui um jardim interno com espreguiçadeira.

Les Marais (Fonte www.boutique-homes.com)

Uma noite na Ópera Garnier
A Ópera Garnier é uma casa de ópera, considerada uma das obras-primas da arquitetura do seu tempo. Foi construído no estilo neobarroco, tendo um estilo rico e subtil, com grandes candelabros de cristal e grandes escadarias. Aqui surgem as melhores óperas e ballet do mundo, que proporcionam noites absolutamente perfeitas. E para completar, pode ainda passear pelo Louvre, o Boulevard Haussmann e o Grands Boulevards. 

Um encantador entardecer em Montmartre
O conselho que deixamos é visitar as ruas históricas de Montmartre ao cair da noite e aproveite para parar num dos cafés ou restaurantes da Rue des Trois Frères. Posteriormente suba as escadas deste bairro e peça a um dos artistas presentes que registe o momento para sempre. Pode terminar o seu passeio ao pé da fantástica Sacré-Coeur, que durante a noite e toda iluminada fica ainda mais bonita.


Pedido de Casamento na Torre Eiffel
Há quem diga que pedir alguém em casamento no topo da Torre Eiffel virou moda. Mas o certo é que se tanta gente opta por subir aqueles degraus todos, só para pedir a mão do seu amor em casamento, deve ser porque funciona. Afinal de contas, um pedido de casamento com Paris vista do alto deve ser algo realmente inesquecível. E pode ainda optar por jantar no Restaurante 58 Torre Eiffel para a experiência ser ainda mais inesquecível.
Vista de Paris a partir da Torre Eiffel

Espero que tenham gostado e possam fazer todos estes fantásticos passeios com a vossa cara metade.
:)


Depois da publicação deste artigo foi-me dada a possibilidade de escrever um artigo de capa de uma revista. Algo que me deixou muito orgulhosa e que fiz com um enorme gosto. Se quiserem ler é só aceder à Revista malaparadois - 9ª edição . Espero não vos desiludir.



sábado, 22 de março de 2014

Atenas

Atenas

Atenas é a capital da Grécia e além de ser uma cidade moderna, foi famosa por ter sido uma poderosa cidade-estado e centro de cultura muito importante na Antiguidade.
Esta é uma cidade antiga, com épocas cheias de história, estando a maioria delas expostas no Museu Arqueológico Nacional, mas é igualmente uma cidade bastante moderna e actual, com uma cultura extremamente viva. O que faz com que a visita se torne muito mais gratificante se levarmos em conta o passado e o presente.

Atenas

Existem imensos monumentos e locais que merecem ser visitados nesta bonita cidade. Uma vez que será impossível conseguir falar de todos, optarei por falar nos que são imprescindíveis de visitar e depois direi uns quantos que aconselho a visitar a quem tiver tempo.

Por outro lado, existe uma data de coisas que são típicas dos gregos e que aconselho a todos os que visitem este bonito país a experimentar. Nomeadamente, comer num restaurante típico as comidas gregas deliciosas e beber a retsina, bebida que se aprende a gostar e que se deve experimentar pelo menos uma vez.

Tal como falei anteriormente existem uma data de locais que são de visita obrigatória, nomeadamente:

  • Akrópoli
Significa "cidade alta" e nela estão presentes vários edifícios importantes datados do séc. V a.C.. Sendo o mais imponente de todos o Parténon, onde vários escultores da cidade  trabalharam. Este edifício é todo construído com um mármore que contém ferro, o que lhe confere um bonito tom dourado ao por-do-sol. Mas existem muitos outros, nomeadamente o Propileu e o pequeno templo de Athena Nike.

Akrópoli (Fonte: haciendoturismoconrantes22.blogspot.com)
  • Centro de Estudos da Acrópole
O Centro de Estudos foi um projecto arrojado que vem-se alargando ano após ano, tendo sido criado para ilustrar toda a evolução da construção da Acrópole, bem como a sua história. Está diariamente aberto das 9h ás 14h30.

  • Ágora
Este é um local de visita obrigatória, onde encontrará excelentes ruínas e um interessante museu. Outrora foi o local do mercado, a casa forte, a prisão, teatros e escolas. Para visitar este local convém ir acompanhada de um mapa. Esta área começou a ser usada como mercado por volta do séc. VI a.C., tendo sido anteriormente um cemitério. Existem dois edifícios que dominam esta zona, são eles o Templo de Efesto e o Stoa Atallou.
    • Templo de Hefesto - Este bonito templo localiza-se na parte ocidental do Ágora, tendo sido construído em 449-444 a.C.. Este é o Templo mais bem conservado de toda a Grécia e foi construído em homenagem ao Deus Efesto, deus do fogo e da arte.
Templo de Hefesto (Fonte: panmythica.blogspot.com)

    • Stoa Atallou - É uma arcada dupla construída no séc. II a. C., que tem sido restaurada pela Escola Americana de Arqueologia, permitindo-nos ver como eram os edifícios gregos desse período. Neste local encontra-se o pequeno Museu de Ágora.
  • Museu Arqueológico Nacional
Este é um dos maiores museus do mundo, encontrando-se instalado num jardim. Quem o visita deve guardar um dia só para ele, se realmente pretender explorar completamente a maior colecção de arte grega do mundo. Nesta visita pode sempre recorrer guias para visitas personalizadas com a duração pretendida.
  • Museu de Arte Cicládica
Este moderno museu, acolhe a colecção privada de Nikolas P. Goulandris, conhecido armador e patrono das artes. A colecção exposta neste museu abrange vários séculos de arte grega da Antiguidade, mas as suas principais atracções dizem respeito a artefactos da civilização cicládica de 3000-2000 a.C..Aqui podemos recorrer a computadores para receber informação sobre o museu.
  • Pláka
Este é o centro da vida noturna e dos restaurantes da cidade. O seu desenvolvimento iniciou-se no séc.XIX,a norte da Acrópole, quando a população de Atenas começou a expandir-se. Aqui encontramos edifícios de uma beleza extraordinária, alguns dos quais podem ser visitados. Pláka é acima de tudo um local para passear e comer.
Pláka (Fonte www.absolutatenas.com)
  • Museu dos Instrumentos Musicais Gregos
Se é um apaixonado por música tem obrigatoriamente que visitar este Museu especializado, que se encontra sediado numa bela mansão de Pláka. No exterior deste espaço ocorrem alguns concertos, existem também uma loja que permite comprar colecções de lembranças e livros sobre música grega.
Aqui encontramos mais de 1200 instrumentos que remontam ao séc. XVIII, reunidos pelo musicólogo Fivos Anoyanakis.

  • Museu de Arte Popular Grega
Este museu permite observar a colecção deslumbrante das tradições populares gregas. Aqui encontramos exposições de bordados dos diferentes grupos das ilhas, vários fatos com máscaras, vários adornos em prata (brincos, colares, cintos e fivelas), objectos religiosos (Bíblia de 1754 com encadernação em prata feita na Grécia) e ainda tem uma exposição dedicada ao artista popular Theophilos Hatzimichael, havendo uma sala datada de 1924-1930, representando uma casa em Lesvos.
    • Colecção de Cerâmica - A mesquita que abriga esta colecção foi construída em 1759. Esta colecção cerca de 800 peças, faz parte da colecção
  • Stádio
Estádio construído em  1896, quando os JO foram acolhidos na sua cidade original. Foi o arquitecto Ernest Ziller que teve a difícil tarefa de conceber este local, partindo do plano do antigo estádio. Esta visita não ocupará muito tempo, pois não existe muito para ver, mas é um local de interesse pois possui uma graciosidade que lhe confere uma beleza sem igual.

  • Monastiráki
Praça pequena e bastante agitada, onde em tempos existiu um mosteiro. Nesta zona podemos encontrar a feira da ladra, as bancas vendem uma variedade de artigos que vão desde roupa,a câmaras de filmar, a artigos religiosos, entre outros. No entanto, é preciso ter bastante cuidado nesta zona com os carteiristas.
Monastiráki (Fonte pt.dreamstime.com)
  • Praça Sintagma
Esta é a praça principal de Atenas, onde se encontra o Hotel Grande Bretagne que só por si já é uma atracção turística. Encontramos também o Túmulo do Soldado Desconhecido.
    Praça Sintagma (Fonte percy-jackson-rpg.com)
  • Monte Licabetto
Este é o maior monte de Atenas, resultando de um afloramento calcário com 278 m. A subida até ao topo é difícil, mas extremamente gratificante, pois é feita através de bosques com aroma a pinheiros, muitas vezes cheios de borboletas e com algumas tartarugas selvagens. Poderá também visitar a Capela de Ágios Geórgios, do séc. XIX. Abaixo do cume do Monte Licabetto encontrará o Teatro Licabeto, ao ar livre, onde frequentemente se realizam concertos de música jazz, clássica ou até rock.

Monte Licabetto (Fonte lili-tudoblog.blogspot.com)

Existem ainda uma data de locais que caso tenha tempo deve visitar. São eles o Ágioi Apóstoloi (Igreja) , a Anafiótika (local), Museu Judaico da Grécia, o Museu Helénico das Crianças, o Mercado Central, o Cemitério Kerameikós, Praça Mitrópolis e o Templo de Zeus.

Quando passear por Atenas, lembre-se que é apenas uma parte da última camada da sua longa história que está a ver. A grande vantagem desta cidade, é que a maioria das atracções encontram-se circunscritas a uma pequena área, sendo possível percorrer a cidade a pé.

Espero que possam visitar esta cidade brevemente e que este roteiro vos seja muito útil.
:)

E vocês já visitaram Atenas? O que acharam? Ou ainda querem visitar?

Este blog tem parceria com o Booking. Se pretender fazer a sua reserva para ficar alojado em Barcelona, contrate o serviço por aqui e estará ajudando o nosso blog, já que o nosso trabalho é voluntário.

Veja os nossos artigos dedicados à Grécia

segunda-feira, 17 de março de 2014

Visitar Paris em 4 dias

Visitar Paris em 4 dias

Finalmente chegava o dia de partirmos em direcção a Paris, uma viagem de 4 dias, à muito programada e na companhia de grandes amigos.

Apanhámos o avião Easyjet a um preço fantástico de 60€, no Porto. Começava aí a grande aventura com a expectativa de uma grande viagem.
Íamos um pouco às escuras, pois como temos família em Paris, deixámos que eles programassem o que iríamos ver em cada dia.

Ficámos em casa de familiares e como tal não nos tivemos que preocupar com alojamento, de qualquer modo se precisar de reservar hotel em Paris, pode fazê-lo aqui . 

Paris é uma cidade com importantes monumentos arquitectónicos, desde a gloriosa Catedral de Notre Dame, passando pela magnificência de Versailles e indo até ao espetáculo vanguardista do Centro Georges Pompidou. Esta cidade é um esplendor, e decidiu o destino de reis e impérios e albergou muitos dos maiores artistas, escritores, filósofos e músicos do mundo.
Esta é uma cidade para desfrutar sem pressa. Calce uns sapatos bem confortáveis, decida o que vai visitar e depois, percorra-a com calma.

Vista da cidade
Rio Senna

1º Dia
Começámos o dia muito cedo, tendo ido para a estação do metro para ir ter com o nosso guia (primo). E começava assim o nosso roteiro.

Paragem de metro

Iniciámos o nosso percurso em direcção à Praça Parvis e pelo caminho passámos pela Sainte Chapelle. A belíssima Sainte Chapelle, foi construída em 1246-8 pelo arquitecto Pierre Montreuil, para o santificado Rei Luís IX poder exibir a Coroa de Espinhos de Cristo, entre outras relíquias. Este elegante edifício, trabalhado com filigrana é actualmente um museu.
Chegados à Praça Parvis, vemos a Catedral de Notre Dame, pena foi ela estar em obras de manutenção por fora e ter sido difícil tirar fotografias. Já lá dentro deixámos a nossa mensagem no  "Livre de Vie" .
Esta é uma das mais antigas Catedrais francesas em estilo gótico, culminando numa série de templos erguidos em honra do Deus pagão, Cernuno.
Esta Catedral foi construída entre 1163 e 1330, a sua soberba fachada oeste, inicia-se com três arcos, dedicados à Virgem (esquerda), a St.Anne (direita) e ao Juízo Final (centro).
Existe uma estrela colocada no pavimento à frente da Catedral que marca o Point Zero, o ponto exacto a partir do qual são medidas todas as distâncias em França.

Sainte-Chapelle
Catedral de Notre Dame

Point Zero

Continuámos depois a nossa viagem, sem antes pararmos no Starbucks para beber um cafezinho. De café tomado, partimos rumo ao Museu do Louvre. Pelo caminho passámos pelo bonito edifício do Governo Municipal de Paris, pela Praça Igor Stravinsky, onde observámos as bonitas esculturas aquáticas de Niki de Saint-Phalle e pelo controverso e futurista Centre Georges Pompidou. Mesmo antes de chegar à Praça du Louvre vimos a bonita igreja de St. Germain l'Auxerrois, construída no séc. VI.

Governo Municipal de Paris
Place Igor Stravinsky
Centre Georges Pompidou
Igreja de St. Germain l'Auxerrois
Finalmente chegámos ao nosso destino e entrámos na Praça du Louvre, onde ficámos a admirar a pirâmidese a magnitude da praça. O Louvre é o maior palácio real do mundo e é uma das mais gradiosas galerias de arte, a ultra moderna pirâmide em vidro foi acrescentada em 1988 pelo arquitecto I.M. Pei, como entrada principal para o museu.
Como nenhum de nós era grande entendido em arte e o bilhete era caro, optámos por apenas dar uma volta e não entrar.


Museu do Louvre

Seguimos viagem e decidimos ir visitar as famosas Galeries Lafayette, que possuem uma decoração de arte nova muito interessante. Mas não conseguimos lá andar muito tempo, pois o calor que se fazia sentir era absolutamente impossível.
Fomos então para a zona de Pigalle, que é sobretudo conhecida pela vida nocturna, simbolizada pelo mítico Moulin Rouge, famoso desde a última década do séc. XIX, pela sua vida nocturna tipicamente parisiense. Passeamos pela rua absolutamente cheia de sex-shops e clubes eróticos.
Ah....No meio destas andanças um senhor pássaro qualquer decidiu fazer as suas necessidades enquanto eu passava por debaixo de uma árvore, é certo que me caiu na cabeça. No meio do azar, a sorte é que estava de gorro. Serviu logo, para o pessoal todo se rir de mim e do meu ar enojado.

Galeries Lafayette
Moulin Rouge

De seguida apanhámos o metro e fomos em direcção a Montmartre, para visitar a Basílica do Sacré Croeur. Posso dizer-vos que é um local que realmente vale a pena visitar. Pois para além da bonita basílica, podemos ver a cidade toda e ainda sentir o ambiente fervilhante que se sente na "aldeia" Montmartre.
A Basílica encontra-se no ponto mais alto de Paris, esta foi construída pela Nação em sinal de devoção ao Sagrado Coração, após a Guerra Franco-Prussiana.
Montmartre foi em tempos o centro do mundo artístico, actualmente encontra-se a abarrotar de de artistas de rua e de turistas.

Montmartre
Sacre-Coeur
Descemos depois a colina para ir apanhar o metro em direcção ao Museu Grevin, este combina figuras de cera com meios audiovisuais para recriar Paris do virar do século e é inspirado no Museu Madame Tussaud.
O bilhete não é propriamente barato, mas eu pessoalmente acho que vale a pena, fica em 22€ por pessoa. Lá encontramos essencialmente personalidades francesas, mas também mundiais. Nomeadamente, Madonna, Madre Teresa de Calcutá, Papa João Paulo II, Obama, entre outros.
Museu Grevin
Leonardo Da Vinci
O nosso primeiro dia termina na Praça de la Bastille, onde se encontra a Colonne de Juillet, construída em 1830, em homenagem àqueles que morreram nesse ano, na revolução dos três dias.
Acabava assim um dia em cheio, hiper mega cansados mas felizes com o dia cumprido.

Bastilha

2º Dia
O nosso segundo dia também foi recheado de aventura e boa disposição. Pena foi estar a chuviscar da parte da manhã.
Começamos o nosso percurso no Arco do Triunfo, monumento de estilo romano, mandado construir em 1806, por Napoleão, como glorificação das suas vitórias militares. Por debaixo do arco encontra-se no Túmulo do Soldado Desconhecido. Há ainda umas escadas e um elevador que conduzem ao telhado e no interior encontraremos um pequeno museu.
Este monumento encontra-se no início dos Champs-Élysées, que ao longo dos tempos se foi tornando num passeio muito popular. Inicialmente, era uma zona de passeio público, mandada fazer em 1667 por Luís XIV e Le Nôtre. Actualmente, é uma zona de construção densa carregada de lojas de griffe, salas de cinema, bares e cafés.
Após percorrermos toda a avenida, optámos por almoçar no McDonalds já que o nosso bolso não permitia outra coisa.


Arco do Triunfo
Túmulo do Soldado Desconhecido
Champs-Élysées
Da parte da tarde decidimos ir até Versalhes, para isso fomos apanhar o metro e até este era diferente dos demais e todo ele alusivo ao Palácio de Versalhes. Este palácio levou 21 anos a ficar com as dimensões desejadas pelo Rei Luís XIV, que acreditava estar a um passo do divino, quis para si próprio um palácio a condizer.
A visita ao Palácio está muito bem programada, com a possibilidade de colocarmos auscultadores e estar a ouvir a história de cada divisão ao longo do percurso. Por outro lado, quando acaba a visita ao interior podemos passar para o exterior e passear pelos bonitos jardins formais, com relvados, fontes e caminhos ornamentados com cerca de 200 estátuas.

Tecto do metro para Versalhes
Estátua de Luís XIV
Jardim do Palácio de Versalhes
Terminava assim o nosso segundo dia, cheios de novas histórias e com muito cansaço à mistura. Mas a valer a pena cada dor no pé e nas pernas. A viagem de regresso a casa foi praticamente todo feito a dormir uns para cima dos outros.

3º Dia
Chegava finalmente o dia de conhecer a Torre Eiffel. Logo pela manhã um tio nosso foi-nos buscar e levar a conhecer a tão famosa torre, situada no Champ de Mars. Apesar de ser bastante cedo, encontramos alguma fila para comprar os bilhetes para a subida até ao cimo. A construção da Torre Eiffel iniciou-se em 1887 e foi concluída em 1889, tendo 320,75 metros de altura. Esta foi mandada construir para assinalar o centenário da Revolução.
Ao chegarmos ao cimo da torre surge-nos uma vista de tirar o fôlego, podendo ver Paris de uma perspectiva muito mais ampla.
Torre Eiffel


Vista do cimo da Torre Eiffel
Depois da magnifica experiência na Torre Eiffel decidimos ir dar uma volta pelo Rio Sena, nos famosos Bâteaux Mouches. Este passeio deu-nos uma outra perspectiva da cidade e permitiu-nos ver monumentos que não tivemos hipóteses de visitar. Foi um passeio agradável e que serviu também para conhecermos um pouco mais da história da cidade, pois dentro do barco tínhamos uns auscultadores, que em diferentes línguas nos ia dizendo o que estávamos a ver.



Terminámos o dia a jantar num restaurante italiano mesmo no centro de Paris. Apesar de não ser propriamente barato, aconselho vivamente. Chama-se "La Cantina".

4º Dia
O último ficou reservado para visitarmos Disneyland Paris, mas também nos ficou reservado uma desagradável surpresa. Eu e um amigo ficámos doentes, devemos ter comido algo que nos fez mal e não conseguimos passar o dia na Disney. Entramos e ficámos cerca de 3 horas e depois tivemos que regressar a casa. Não foi uma visita muito feliz e portanto não tenho muito para vos contar. O que sei é que tenho que um dia voltar a Paris para visitar a Disneyland. Agora posso dizer-vos que do que vi gostei muito e havia alguns empregados a falar português, o que acaba por ser uma grande ajuda para quem não fala ou inglês ou francês.



Disneyland Paris

Terminava assim a nossa viagem à mítica cidade de Paris, não da melhor forma é certo mas foi uma viagem bastante agradável, em óptima companhia e cheia de peripécias engraçadas.
Na minha opinião muito pessoal, achei Paris uma cidade bastante cinzenta, ou seja, sem cor. É certo que é bonita, tem imenso para ver, muitas histórias para saber e uma alma muito própria, mas acho que lhe falta cor, vida. 
Foi uma experiência bastante agradável e de certo não me importarei em voltar, pois ficaram imensos locais para ver.

Depois da publicação deste artigo foi-me dada a possibilidade de escrever um artigo de capa de uma revista. Algo que me deixou muito orgulhosa e que fiz com um enorme gosto. Se quiserem ler é só aceder à Revista malaparadois - 9ª edição . Espero não vos desiludir.

Espero que gostem e que vos tenha sido útil.
:)

sexta-feira, 14 de março de 2014

Nápoles

Nápoles

Hoje o tema do meu roteiro será Nápoles, cidade italiana fundada no séc. IX a.C., como uma colónia da Grécia Antiga. O seu centro histórico é dos maiores da Europa e foi classificado pela UNESCO como Património Mundial. 
Esta cidade oferece um misto de beleza e uma cultura baseada num forte sentido de vida no limite.

Para mim esta cidade foi um misto de emoções e sentimentos. A primeira impressão foi absolutamente horrível, mas depois aprendemos a admirar esta cidade.

Decidimos começar o nosso percurso pela Piazza Garibaldi, contudo o caminho do porto até lá é extremamente perigoso e sujo. Ao ponto de eu só querer voltar para trás cheia de medo (após um italiano ter vindo ter comigo e dito para eu guardar a máquina fotográfica que podia ser assaltada).  A juntar a isto tudo o trânsito é infernal, parecendo animais a conduzir. Não gosto muito de falar mal mas para que percebam só um pouco do que estou a dizer deixo uma foto apenas da parte má.

Lixo na rua

Começámos o nosso percurso a ver a Basílica Santuário del Carmine Maggiore, na Piazza Carmine. A igreja foi fundada no século XIII, por frades carmelitas.  Ela é o lar de duas relíquias religiosas : a pintura de Madonna Bruna  e uma figura da crucificação em que a coroa espinhos está em falta. Segundo a lenda, a coroa caiu da cabeça de Cristo quando o edifício foi atingido por uma bala de canhão em 1439.

Basílica Santuário del Carmine Maggiore

Seguimos depois, em direcção à Piazza Garibaldi, mas para lá chegar passámos por ruas absolutamente assustadoras, todas sujas e degradadas.
Já na praça vimos a estátua de Giuseppe Garibaldi e posteriormente a Capella Di San Gennaro e a Capella S. Paolo de Maggiore.
A primeira, é um monumento artístico importante e onde estão depositadas obras importantes. Já a segunda, o local onde se encontra sepultado Gaetano Thiene, conhecido como São Caetano, fundador da Ordem dos Clérigos Regulares.

Estátua de Giuseppe Garibaldi
Capella di San Gennaro
Capella di San Paolo Maggiore
Seguimos viagem e conforme andávamos íamos admirando os vários monumentos, nomeadamente a Chiesa di San Nicola al Nilo e Santa Chiara.
A Chiesa di San Nicola foi fundado no século XVII, dedicada a São Nicolas. Em 1705, a igreja que vemos agora foi construído com um projecto por Giuseppe Lucchesi. Após o terramoto de Irpinia 1980, o complexo foi abandonado e entregue à Comunidade de Santo Egídio. 
A Santa Chiara é um complexo, constituído pela Igreja de Santa Chiara, catacumbas e um museu arqueológico. A igreja está aberta das 7h30-13h/16h30-20h. O preço é 6€ por pessoa.

Chiesa di San Nicola al Nilo
Santa Chiara
Começamos depois a passear pela parte mais bonita de Nápoles, segundo o meu ponto de vista, ruelas cheias de lojas, a Via Benedetto Croce, onde comprámos imensos souveniers.
Chegámos depois à Piazza del Gesù Nuovo, onde vimos a Chiesa Gesù Nuovo. Esta foi originalmente construída em 1479, por Roberto Sanseverino, Príncipe de Salerno. Actualmente, pertence à Ordem Franciscana.

Chiesa Gesù Nuovo
Partimos depois, em direcção à Piazza Plebiscito e passámos pelo Castel Nuovo. A sua construção iniciou-se em 1279, por ordem de Carlos I de Anjou, mas apenas foi habitado em 1285, por Carlos II de Nápoles. Este sofreu várias alterações ao longo dos tempos e no início do século XVI, deixou de ser utilizado como residência real e assumiu a função de fortaleza militar, voltando a ser ocupado pela realeza no séc. XVIII.

Castelo Nuovo
Chegados`à Piazza Plebiscito, uma das ruas mais largas de Nápoles, encontramos a Basílica di San Francesco di Paola, o Palazzo Reale e o Palácio de Salerno.  
A Basílica di San Francesco di Paola, é a mais célebre igreja de Nápoles, sendo a mais importante igreja italiana do período neoclássico. Em 1815, o rei Ferdinando I, decide mandar construir a Basílica como agradecimento a São Francisco di Paola, pela reconquista do reino.
O Palazzo Reale (aberto 9h-20h), é um dos quatro palácios que serviram de residência aos Reis de Nápoles e Sicília durante o reinado, no Reino das Duas Sicílias (1730-1860).
Já o Palazzo Salerno, foi construído no final do séc. XVIII pelo arquitecto Francesco Sicuro. Ele resulta da transformação de um antigo convento, destinado aos cadetes reais. Actualmente, é a residência do General das Forças Armadas do Sul de Itália.

Palazzo Reale
Basílica di San Francesco di Paola
Palácio Salerno

Para terminar a visita à cidade passámos pelo Teatro San Carlo e pela Galeria Umberto I. O Teatro San Carlo, é uma casa de ópera, sendo o mais antigo teatro da Europa ainda em actividade. Foi fundado pelo Bourbon Carlos III de Espanha, tendo sido inaugurado em 1737.
Já a Galleria Umberto I, é uma galeria comercial pública. Está localizada em frente ao Teatro San Carlo. Foi construído entre 1887-1891 e recebeu o nome de Umberto I, que era o rei da Itália nesse momento. 

Teatro San Carlo
Galleria Umberto I
E acabava assim a nossa visita a Nápoles, tendo noção que ficavam ainda algumas coisas por visitar. Nomeadamente, o Castel dell'Ovo, que foi até ao início do séc. XVI, palácio real dos soberanos de Nápoles. O Castel Sant'Elmo, forte medieval localizado num cume, visualizando toda a cidade e actualmente funciona como museu. E a Certosa di S.Martino, é um dos principais monumentos de Nápoles, sendo um exemplo perfeito da arquitetura barroca. Localiza-se na colina Vomero, ao lado do Castel Sant'Elmo. Desde 1866 que abriga o Museu Nacional de San Martino.

Apesar da primeira impressão menos positiva, ao longo do passeio conseguimos ir mudando a mesma. Contudo, e apesar de até ter gostado, não está nos meus planos voltar a visitar Nápoles.

Mas como eu costumo dizer, não há lugar no mundo que não mereça ser visitado e cada pessoa vive a experiência de maneira diferente, logo aconselho que visitem e desfrutem o máximo. 
Um conselho que dou é ficarem-se pela parte turística e não irem como nós à descoberta pois podem ocorrer alguns problemas.

Espero que tenham gostado.....

:)